Google+ Followers

Google+ Followers

sábado, 24 de março de 2012


Hoje a Escola Estadual Manoel Justiniano de Melo abriu o baú das minhas lembranças... Leitura, muito prazer!
Socorro Bezerra
Eu sou o que sou pelo que aprendi e construí a partir das lições aprendidas em cada canto, em dado momento. Tenho oito irmãos, sendo cinco mulheres e três homens. Filha de Pedro e Francisca. Como aprendi a ler...
A sala de aula era dividida por tabiques, carteiras de madeira de lei com dois lugares. Já pensou? Integração ou interação? Éramos felizes. Lembro-me do prazer na leitura demonstrado pela professora do 1º ano (Forte) Dona Mariazinha. Como era maravilhoso ouvir as histórias lidas por ela. A moura torta, O gato de botas. A bela adormecida e tantas outras iniciadas na segunda e concluídas na sexta. Como esperávamos o clímax e o desfecho da história. Se fechar os olhos agora sinto a magia daquela voz com fluência e entonação precisa como uma atriz a representar a cena. Todos nós não faltávamos para que não perdêssemos nenhum momento da história. Aprendi a ler neste livro “As mais belas histórias”. Foi nesta escola com esta professora que esqueci de vez as cópias feitas na aula particular. Escrevíamos a página do caderno inteira – “O bom filho Deus protege”. Talvez seja por isso que minha letra é horrível.
Naquela época os conteúdos/assuntos eram tratados como fim para obter boas notas. Todavia, os valores adquiridos estão presentes no fazer docente de agora. O que é interessante, é o que fica, o que é para o uso cotidiano. Aprendemos o que nos interessa. Retomo aqui as deixas daquela escola. Fazíamos leituras prazerosas, competições matemáticas, estudávamos história, geografia e ciências decorando questionários enormes. Mas, nunca nos sentimos frustrados nem traumatizados. Como era bom brincar de amarelinha, tô no poço, casinha, jogo de pedra. Tudo isso faz parte do tecido que teci juntos a tantos meninos e meninas que se acharam ou se perderam no tempo.
Hoje leio o que me interessa e dar prazer, tanto da atualidade como outros recortes do passado. As marcas que ficaram emergem nas histórias lidas ou contadas, nos versos que escrevo ou nas palavras que junto ou jogo fora.
Hoje por exemplo estou muito emocionada... Terezinha supervisora da E. E. Manoel Justiniano de Melo ligou-me lá pelas 8h. Socorro! Escute aqui... Estamos fazendo aquele “Desfile Literário” sugestão sua do Mediador da Leitura – Tá uma festa só, vamos percorrer as ruas do bairro. - Ô Terezinha por que não nos avisou para que participássemos? – Foi tanta empolgação que não deu tempo.
Lá vem a questão do TEMPO. De aprender, de fazer amigos e de lembrar-se das coisas boas que adoçam a nossa vida.
Parabéns a equipe da ESCOLA por que junto com a comunidade forma o cidadão do futuro, proporcionando momentos de prazer, de boas leituras e, sobretudo por ENTENDER que os monitores do Programa Mais Educação são parte integrante da escola.
 Professora Jacélia como sempre feliz com seus alunos


 Bem lembrado.. a ÁGUA

 Rosane gestora da escola

Um comentário:

Postar um comentário